Boa notícia: seis usinas de cana retomam produção de açúcar e etanol

29/06/2020
Foto: Biosul/Divulgação
Foto: Biosul/Divulgação

Investimentos passam de R$ 410 milhões e geração de empregos diretos e indiretos vai a 5,3 mil

A princípio, o setor sucroenergético registra a reabertura de seis usinas de açúcar e de etanol neste ano por consequência da alta na produção de açúcar e etanol. Das seis, três ficam no estado de São Paulo, duas em Minas Gerais e outra em Pernambuco. Delas, quatro já retomaram produção e duas estão prestes a reiniciar as atividades.

Do mesmo modo, as usinas de cana-de-açúcar somam investimentos realizados da ordem de R$ 414 milhões. Outra boa notícia é que elas aquecem o mercado de trabalho e já são responsáveis pela contratação direta e indireta de 5,3 mil profissionais.

“Os municípios onde estão localizadas serão altamente beneficiados com a geração de renda e com o aumento da arrecadação de impostos”, afirma ao Energia Que Fala Com Você Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA).

Juntamente com a reabertura das unidades devido a produção de açúcar e etanol, o setor sucroenergético atesta a manutenção de investimentos mesmo diante a pandemia do novo coronavírus e da drástica redução no consumo de etanol.

Isso porque as seis usinas resultam de aportes em plantio de canaviais e de reformas dos parques industriais feitos nos últimos dois anos. A cana-de-açúcar, por exemplo, só fica pronta para o corte depois de um ano e meio de cultivo.

Contudo, mesmo diante as adversidades do segundo trimestre deste ano, as empresas mantiveram os planos de retomar a produção. Juntas, as seis usinas têm capacidade de processar 7,7 milhões de toneladas de cana-de-açúcar.

Com essa quantidade de matéria-prima, dá para produzir 316 milhões de litros de etanol. Ainda mais levando em conta que, segundo a UNICA, na atual safra são fabricados 41 litros do biocombustível por tonelada de cana.

Por sua vez, se convertidas em açúcar as 7,7 milhões de toneladas de cana das seis usinas geram 439 mil toneladas. Isso porque, conforme a UNICA, as unidades fabricam uma tonelada do alimento a cada 57 toneladas de cana.

Além disso, a oferta de cana acrescentada pelas seis usinas representa 4,1% das 187 milhões de toneladas de cana que, segundo a UNICA, foram processadas entre abril e até 16 de junho pelas usinas da região Centro-Sul do país.

Confira a seguir quais são as usinas que retomaram as atividades e as que estão prestar a entrar em operação

Já estão em produção de açúcar e etanol:

Usina Canápolis

Antes de mais nada temos a unidade localizada em Canápolis (MG), que ocupa as instalações da antiga Usina Triálcool. Nesse sentido, adquirida em leilão no ano de 2017, pela Companhia Mineira de Açúcar e Álcool (CMAA).

A CMAA é controlada pelos grupos JF Citrus e IndoAgri, da Singapura, e possui duas outras unidades de etanol e açúcar também no estado de Minas Gerais.

A Canápolis retomou operações nesta safra 2020/21, tem capacidade de moagem de 2 milhões de toneladas de cana. Os investimentos nas áreas agrícola e industrial chegam a R$ 200 milhões, conforme comunicado da CMAA. O número de empregos diretos e indiretos passa de 2.000.

Unidade Clementino/Clealco

Bem como a unidade Clementina retoma as operações na safra 2020/21, depois de ficar sem operar desde 2019. E chega com a meta de moer 1,5 milhão de tonelada de cana. A unidade, do mesmo modo, foi inaugurada em 1983.

Na safra 19/20, a Clealco processou 4,1 milhões de toneladas na unidade de Queiroz. A Clealco também tem outra unidade localizada no município de Penápolis.

Em outras palavras, a capacidade de moagem das três unidades chega a 10 milhões de toneladas. A empresa está em regime de recuperação judicial desde 2019.

Usina Enersugar

Ao mesmo tempo, a antiga e falida Usina Pau D’Alho, localizada em Ibirarema, no interior paulista, e paralisada desde 2012, retomou as operações em maio sob controle de fornecedores de cana como Sylvio Ribeiro do Valle e os irmãos Dorival e Dirceu Finotti.

Valle preside a Associação Rural dos Fornecedores e Plantadores de Cana da Média Sorocabana (Assocana). Os investimentos somam R$ 100 milhões e os sócios buscaram investidores como o fundo americano Amerra Capital Management, que tornou-se sócio minoritário, como destaca o portal Canaonline.

O fundo Amerra já é parceiro em duas unidades produtoras: a Bahia Etanol S. A. (BEL), na Bahia, e a Rio Amambai Agroenergia, no Mato Grosso do Sul. De seu lado portanto, a Enersugar retoma com o mix direcionado em 95% para o açúcar e tem capacidade de moer 2,2 milhões de toneladas de cana.

Usina CRV Industrial

Logo depois, localizada em Capinópolis (MG), a unidade ocupa as instalações da antiga Usina Vale do Paranaíba, adquirida em leilão, no fim de 2017, pelo Grupo Japungu.

Ao passo que a unidade em Capinópolis , o Grupo Japungu, presidido por Paulo Fernando Cavalcanti de Morais, controla outras cinco unidades, sendo duas na Paraíba e três em Goiás.

A unidade retoma as operações após investimentos de R$ 95 milhões. Parte desse montante foi no cultivo de canaviais. Assim, a oferta de cana será gradual. Inicialmente, a moagem deve ficar em 1 milhão de tonelada. A usina tem pouco mais de 900 colaboradores.

Estão para entrar em operação para produção de açúcar e etanol neste ano:

Usina Nova Aliança

Prevista para entrar em funcionamento em julho deste ano, a Usina Nova Aliança, em Penápolis (SP), deverá processar 150 mil toneladas de cana-de-açúcar no primeiro mês de operações.

A unidade ocupa as instalações da antiga Usina Everest. Os investimentos somam R$ 12 milhões, segundo o empresário Roberto Egreja destaca no portal RPA News. Além de Egreja, outros 18 sócios assumiram a usina em 2018.

Quando estiver 100% em operação, a Nova Aliança deverá processar 500 mil toneladas de cana e produzir 20 milhões de litros de etanol e 30 mil sacos de açúcar.

Os empregos deverão somar 200 vagas na indústria e 300 no campo, de forma terceirizada.

Usina Cooafsul/Estreliana

Com investimento inicial de R$ 7 milhões e geração de 2,3 mil empregos diretos e indiretos, a Usina Estreliana deverá voltar a produzir na safra 2020/21.

Ela irá operar no sistema de cooperativismo, via contrato de arrendamento, e terá outro nome: Usina Cooafsul, em homenagem a Cooperativa Agroindustrial de Fornecedores de Cana, que fará a gestão da unidade.

A usina está localizada em Ribeirão, na Zona da Mata Sul do estado de Pernambuco, onde a safra tem projeção para começar em agosto próximo.

A previsão é de moer 500 mil toneladas de cana nesta primeira safra, conforme destaque do portal da Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco (AFCP) para produção de açúcar e etanol.

“Geração de renda e de empregos”

“A decisão do investimento e da retomada da operação das unidades foi tomada antes da crise causada pela pandemia. E foi fruto principalmente de se acreditar na viabilidade do setor sucroenergético e do horizonte criado a partir do novo programa de Estado, o RenovaBio.

O movimento de retomada das operações por outras unidades produtoras deve ter sequência após a normalização do mercado.

Já os municípios onde estão localizadas essas usinas serão altamente beneficiados com a geração de renda e empregos e com o aumento de arrecadação de impostos por consequência da produção de açúcar e etanol.”

 

Fonte: Portal Energia que Fala com Você / Delcy Mac Cruz