Controle de pragas em soqueiras requer o uso de implemento eficiente

04/06/2020
Controle de pragas em soqueiras requer o uso de implemento eficiente

A necessidade de aprimorar o controle de pragas, que atacam as áreas de cana-de-açúcar após o período de colheita, tem exigido o uso de sistemas eficientes, que apresentem boa performance e reduzam, de maneira significativa, a infestação provocada por Migdolus, Sphenophorus, broca peluda, cigarrinha-das-raízes, entre outros insetos. 

Para atender as demandas do mercado nessa área, a DMB Máquinas Implementos Agrícolas lançou recentemente a versão do “Aplicador de Inseticidas em Soqueiras (bomba modelo JP)” para o uso de agroquímicos em duas linhas simultaneamente. A empresa já fabrica o modelo do implemento para três linhas, com excelente aceitação pelos produtores de cana e usinas. 

Usuários do aplicador, que fazem a sulcação para duas linhas, consideram que há maior dificuldade para a manutenção do paralelismo quando ocorre a utilização do implemento para três linhas. Em decorrência disto, a DMB decidiu disponibilizar o modelo para a aplicação em duas linhas de soqueiras – explica o engenheiro agrônomo Auro Pardinho, gerente de marketing da empresa. 

“O aplicador para duas linhas exige, no entanto, que se abra a bitola do trator para três metros. As duas linhas, de um metro e meio cada, passam embaixo do trator”, esclarece. Segundo ele, o novo modelo é uma opção interessante para o controle de pragas em soqueiras, principalmente para fornecedores de cana-de-açúcar. 

Com a possibilidade de uso da versão do equipamento para duas ou três linhas – conforme a realidade de cada usuário –, o importante mesmo é realizar o controle eficaz de pragas. As duas versões possuem discos que cortam a palha, criando condições favoráveis para a aplicação do inseticida nas linhas das soqueiras da cana, o que melhora o controle. 

Auro Pardinho alerta que usinas e produtores devem estar atentos à infestação das lavouras, que pode causar grandes prejuízos por causa da diminuição da produtividade e da redução da longevidade do canavial. Em situações mais extremas, o Sphenophorus levis provoca uma queda de produtividade entre 30% a 60%, o que pode ocasionar a antecipação da renovação da lavoura – exemplifica o gerente de marketing da DMB. 

De acordo com ele, o Migdolus é outra praga que requer a utilização de um sistema eficiente de controle, incluindo o uso de equipamentos avançados e de produtos de qualidade, que devem ser aplicados, no momento adequado, conforme a dosagem indicada por especialistas. 

Apesar de ser menos comum, a broca peluda (Hyponeuma taltula), que causou recentemente prejuízos em algumas áreas de cana, exige também atenção especial. O aplicador de inseticidas em soqueiras proporciona inclusive bons resultados no controle dessa praga, porque ao cortar a palha na linha da cana, expõe a broca peluda à ação do agroquímico. 

No caso da cigarrinha-das-raízes, a recomendação é acoplar ao implemento o kit desenleirador, que possibilita o afastamento da palha das linhas das soqueiras da cana. Com o desenleiramento, ocorre uma diminuição do número de aplicações e, consequentemente, do volume de inseticida utilizado para controlar a cigarrinha – observa Auro Pardinho. 

A DMB disponibiliza ainda o Kit 70/30 para ser acoplado ao Kit desenleirador. Esse recurso possibilita enterrar 70% da dose do produto e aplicar 30% do volume do inseticida na superfície, na base da cana. Em consequência disto, é possível atingir o inseto tanto na forma de ninfa como na fase adulta – constata o gerente de marketing da empresa.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa DMB