Empresários de Mato Grosso apostam na industrialização do milho

12/03/2019
Empresários de Mato Grosso apostam na industrialização do milho

Oito empresas produtoras de etanol de milho estão com processos em andamento na Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec) para concessão de benefícios fiscal. Outras 20 indústrias solicitaram licença ambiental para empreender no Estado. O cenário é pujante e mostra a industrialização do grão, com a agregação de valor ao produto.

De acordo com o secretário da Sedec, César Miranda, o setor está em pleno investimento. Os processos que tramitam no órgão são de empresas que já atuam no Estado. Conforme ele, além da produção de etanol, fomenta a produção DDG (subproduto utilizado como ração animal), de eucalipto (usado na transformação do milho para o etanol).

“Outras cadeias estão ganhando com o crescimento da produção de etanol de milho”, acrescenta o secretário. Apesar do crescimento, o setor sofre com a falta de logística para exportar a produção. A construção de modais de transporte esbarra na burocracia política. “O nosso mercado consumidor ainda é muito pequeno. É preciso alternativas para escoar essa produção, mesmo agregando valor ao produto”, pontua Miranda.

O presidente da União Nacional do Etanol de Milho (Unem), Ricardo Tomczyk, destaca o cenário favorável para o crescimento do setor e a consolidação da agroindústria. Além do DDG e do próprio combustível renovável, a atividade gera fomento para a produção de energia elétrica e do óleo de milho. “O setor está movimento muitas cadeias e gerando empregos”.

Segundo ele, Mato Grosso pretende aumentar a produção de etanol de milho em mais de 200% no período de 5 a 6 anos. Em 2018, o Estado produziu cerca de 660 milhões de litros. Em 2019, a previsão é de algo em torno de 1.1 bilhões de litros. “Mas estimamos, em 5 ou 6 anos, chegar a 4,2 bilhões de litros”.

O mais recente empreendimento que está se instalando no Estado é o da Ethanol Bioenergia. A indústria está em fase avançada de execução em Nova Mutum, próximo a BR-163, com investimentos de R$ 400 milhões. A previsão é iniciar as obras ainda neste semestre, com inauguração em 2020.

A construção vai demandar a contratação de 1,1 mil trabalhadores. Em operação, a expectativa é gerar cerca de 2,250 mil empregos diretos e indiretos. A indústria terá capacidade produtiva de 200 milhões de litros de etanol de milho por ano. Vai contribuir com a arrecadação anual de R$ 36 milhoes de ICMS. O empreendimento pertence a um grupo empresarial local, que atua no agronegócio, indústria frigorífica e empreendimentos urbanos.

Grãos - Mato Grosso é líder na produção do grão no país. Na safra 2017/2018 o estado produziu 26,3 milhões de toneladas de milho, conforme dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

 

Fonte:  Jornal A Gazeta Digital