Empresários retomam gastos em inovação, aponta Sondagem da ABDI

11/04/2019
Empresários retomam gastos em inovação, aponta Sondagem da ABDI

Pesquisa mostra que proporção de empreendimentos que aumentaram investimentos é o maior desde 2011 

Os empresários voltaram a investir em inovação no 4º trimestre de 2018, conforme aponta estudo da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). A Sondagem de Inovação, divulgada nesta terça-feira (09), mostra que o indicador subiu 7,9 pontos, quando passou de 104,6 para 112,5 pontos em relação ao período anterior. Este é o maior valor desde o último trimestre de 2011.

O dado é obtido pela diferença entre a proporção de empresas que afirmaram ter aumentado os gastos em inovação e aquelas que mantiveram ou diminuíram, acrescido de 100. Quando o indicador, que varia em uma escala de 0 a 200, se mantém abaixo dos 100 pontos, significa que um maior número de empresas diminuiu ou não realizou investimentos em inovação no período pesquisado.

"No 4º trimestre de 2018, o PIB variou apenas 0,1% em relação ao mesmo período imediatamente anterior. Tivemos crescimento na agropecuária e serviços, mas a indústria recuou 0,3%. Então, o aumento nos gastos com inovação revela que os empresários enxergam nisso uma saída para a retomada do setor", analisa Guto Ferreira, presidente da ABDI.

O percentual de empresas que aumentaram os gastos com inovação subiu de 21,4% para 22,8%, enquanto a porcentagem de empresas que diminuíram os recursos no setor foi de 6,1% para 3,7%, no mesmo período. Outros 66,9% mantiveram os gastos com inovação no 4º trimestre de 2018, a segunda maior proporção da série, atrás apenas do 4º trimestre de 2017 (70,8%).

O coordenador de Planejamento e Inteligência da ABDI, Rogério Araújo, destaca que a Sondagem mostra uma relativa estabilidade do setor no 4º trimestre de 2018. “Os Gastos com Inovação voltaram a avançar, se mantendo acima da média histórica, mas a inovação em produtos ou processos continua em níveis baixos. Considerando o ritmo lento de crescimento para este ano, as perspectivas de inovação para os próximos trimestres devem ser avaliadas com cautela”, pondera.

 Produtos e Processos

A Sondagem da ABDI revelou dificuldade das empresas industriais na inovação de produtos, mas uma recuperação nos processos. Houve queda de 1,7 ponto percentual (p.p.) na proporção de empresas que inovaram com produtos novos, mas já existentes no mercado nacional, atingindo 31,5% das empresas entrevistadas no 4º trimestre de 2018. A inovação em produtos novos, mas ainda não existentes no mercado subiu de 12,4% para 13,8% do total de empresas entre o 3º e 4º trimestres de 2018.

Em relação aos processos novos ou substancialmente aperfeiçoados para a empresa, mas já existentes no mercado nacional houve alta de 3,5 pontos em relação ao trimestre anterior. Já a inovação de processos novos para o mercado caiu de 10,3% para 8,2% no período.

Os resultados menos favoráveis devem ser vistos no contexto de queda da produção industrial (-1,3%, segundo dados da PIMPF do IBGE) e de baixa variação do PIB, em apenas 0,1%, como explica Rogério Araújo. “Os números revelam perda do dinamismo no setor em 2018. Vários fatores contribuíram para isso, entre eles, a greve dos caminhoneiros, o cenário externo turbulento, e a elevada incerteza gerada pelo período eleitoral”.

 Competitividade

Fornecer “serviços de alta qualidade” é o principal fator de competitividade para a maioria das empresas entrevistadas, tendo maior média: 4,5 pontos, em uma escala em que zero representa sem importância e cinco muita importância. Na sequência, os empreendedores apontaram que “oferecer serviços de baixo custo e com qualidade” - 4,4 pontos -, é o segundo fator em relevância para a empresa ter bom desempenho no mercado, seguido por “velocidade de entrega” e por “confiabilidade”, ambos com 4,3, e “flexibilidade” com 4,1.

Os empresários apontam que “especialização em produtos e/ou segmentos de mercado” 58,7%; “definição de política de preços e posicionamento de custos” 54,7%; “aumento da qualidade do produto e liderança tecnológica” 53,7%; e “aumento do relacionamento com o cliente” 50% são os principais fatores para alcançar estes elevados graus de competitividade.

P&D

Dentre as empresas pesquisadas, 59,5% possuem departamento de P&D, com índices maiores nas regiões Sudeste (66,7%) e Sul (64,6%). No Centro-Oeste/Norte e Nordeste esses percentuais são de 33,3% e de 32,4%, respectivamente.

O período de coleta da Sondagem de Inovação é trimestral e ocorre nos dois primeiros meses subsequentes ao trimestre de referência da pesquisa. Para a edição do 4º trimestre de 2018, foram aplicados 304 questionários entre 03 de janeiro e 14 de março, em empresas industriais com 250 ou mais funcionários.

 

Fonte: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI)