Hora e vez do etanol da cana-de-açúcar

20/06/2018
Luiz Gonzaga Bertelli: Aumento da produção do biocombustível reduzirá importações e emissão de gases de efeito estufa | FOTO: PAULO BARETA
Luiz Gonzaga Bertelli: Aumento da produção do biocombustível reduzirá importações e emissão de gases de efeito estufa | FOTO: PAULO BARETA

Para especialista, RenovaBio possibilitará substituição importante de gasolina e diesel

 A implantação do RenovaBio, recentemente anunciada pelo governo, vai ampliar a produção do etanol da cana de açúcar dos atuais 30 bilhões de litros ano/safra para 50 bilhões ano/safra. Isso possibilitará a substituição de até 55% do uso da gasolina e 20% do diesel pelo biodiesel. Em consequência, trará uma geração de empregos, desenvolvimento de polos regionais e crescimento econômico e social, aliados à sustentabilidade, ressalta Luiz Gonzaga Bertelli, diretor e conselheiro da FIESP-CIESP. Cada tonelada de cana gera R$ 10.260 por hectare, à frente da competitividade da soja (R$ 3.460), do milho (R$ 2.420) e da pecuária (R$ 1.093).Mudança para 1,6 mil municípiosAté 2030, o RenovaBio deve impulsionar investimentos de R$ 500 bilhões e geração de mais de um milhão de novos empregos. “Isso será uma verdadeira mudança positiva aos 1.600 municípios brasileiros que cultivam, hoje, a cana de açúcar, atividade presente em 330 das 645 cidades paulistas”, enfatiza Gonzaga Bertelli. A utilização dos biocombustíveis deverá reduzir em US$ 45 bilhões as importações de petróleo e derivados no Brasil. Ao dobrar a produção Com a produção do etanol, a emissão de CO² cairá de 166 para 45 gramas de CO² equivalente por quilômetro (g CO² e/km).Falta focar mais em pesquisasMas ainda existem desafios, como ampliar a produção e a necessidade da renovação dos canaviais, com variedades de produtividade de cana maior e mais resistentes a pragas, doenças e ao estresse hídrico, explica o diretor da FIESP-CIESP. “Precisamos também focar mais nas pesquisas rumo ao etanol de segunda geração, o etanol 2G, que demonstra a versatilidade da cana-de-açúcar”, diz. Segundo Gonzaga Bertelli, o País tem todas as condições para cumprir as metas e vencer os desafios. “É hora definitiva dos biocombustíveis e das energias renováveis.”


Fonte: DCI - Liliana Lavoratti